Pular para o conteúdo principal

DÍZIMOS e OFERTAS: Detalhes que influenciam a bênção divina (parte 3)


O Sacrifício que Deus aceita...
Detalhes que influenciam a bênção divina
(parte 3)
Por Gerson Luiz Garcia de Lima
Comunidade Evangélica Restauração e Vida


Vamos continuar o assunto de contribuir para a casa de Deus.
PERCEBENDO DETALHES DA PROMESSA:
Bem, ouvi uma estória interessante dias desses. Um circo estava no mesmo quarteirão de uma Igreja. O circo vivia cheio e a Igreja vazia. O pastor encontrou-se com o dono do circo e perguntou-lhe qual o segredo de manter sua tenda sempre cheia, ao que o circense respondeu: "Aqui vivemos a ilusão como se fosse verdade, mas pelo jeito em sua igreja, vocês vivem a verdade como se fosse ilusão".

Sempre que oro na Igreja sobre dízimos e ofertas, peço a Deus que haja uma diferença entre quem serve a Deus de quem não serve, entre quem é fiel de quem não é. Para quê? Para que a palavra de Deus se confirme sobre os fiéis. Não é bom para o Evangelho quando pessoas dizimistas vivem em uma condição precária. Mas o que acontece então? Por quê vemos pessoas que não dão o dízimo em condições melhores do que os que dizimam?

Já falamos acima um pouco sobre isso, mas vamos ao ponto: Deus não se agrada de de castigar alguém, mas tem sua lei de abençoar. (Malaquias 3:16-18)


- Então aqueles que temeram ao SENHOR falaram frequentemente um ao outro;
e o SENHOR atentou e ouviu; e um memorial foi escrito diante dele, para os que temeram o SENHOR, e para os que se lembraram do seu nome.
- E eles serão meus, diz o SENHOR dos Exércitos; naquele dia serão para mim jóias;
poupá-los-ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve.
- Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio;
entre o que serve a Deus, e o que não o serve.

Nós nos relacionamos com Deus apenas por intermédio da Fé. E de fato, sem Fé é impossível agradar a Deus. Então, muitas vezes Ele permite que enfrentemos situações difíceis para nos levar a utilizar os recursos da Fé.

Veja então, que não é que o não-dizimista esteja em condição melhor do que o dizimista, mas que o dizimista não está utilizando os recursos que lhe foram outorgados.
É como se uma pessoa vivesse morando de aluguel e trabalhasse em um emprego ganhando R$ 300,00, sem carro vivendo numa condição de menos recursos do que outro que more em uma casa de 100 m2 e tem um carro ganhe R$ 2000,00.

Não que o primeiro seja como ser humano inferior ao segundo mas, obviamente, que o segundo tem melhor padrão que o outro. Mas imagine também, que o segundo não tem herança e o primeiro tem como herança de uma Mansão e milhões de reais, guardados. Os motivos pelo qual o primeiro cidadão não ter usado seus recursos podem ser: ele não sabe da herança; ele não quer usar a herança; ou ele é negligente em reivindicar a herança.

O que quero dizer é que Deus não precisa pesar a mão sobre o não dizimista, mas Deus quer reforçar a bênção do dizimista, para isso o dizimista fiel, deve crer e apossar-se da bênção de Deus.

Veja a dimensão disso sob o prisma do texto de Malaquias 3:10-12:


"E depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes".

Aqui o Senhor nos autoriza a fazer prova d´Ele, ou seja, se após praticarmos o ato de dizimar e ofertar a bênção não acontecer, faça prova d´Ele. Pois a promessa aqui é de que a benção seria de tamanho a sequer ter onde guardar. Exagero? Nem um pouco, fale com quem inspirou a palavra, Deus. O que implica aqui é a abrangência da visão do dizimista fiel. Quando Deus chamou Abraão, de tempos em tempos ele renovava sobre Abraão A SUA VISÃO. Em duas dessas ocasiões o Senhor lhe disse:
(Gênesis 13:14-18)


- E disse o SENHOR a Abrão, depois que Ló se apartou dele: Levanta agora os teus olhos, e olha desde o lugar onde estás, para o lado do norte, e do sul, e do oriente, e do ocidente; - Porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, para sempre. - E farei a tua descendência como o pó da terra; de maneira que se alguém puder contar o pó da terra, também a tua descendência será contada. - Levanta-te, percorre essa terra, no seu comprimento e na sua largura; porque a ti a darei. - E Abrão mudou as suas tendas, e foi, e habitou nos carvalhais de Manre, que estão junto a Hebrom; e edificou ali um altar ao SENHOR.
(Gênesis 15:5-6)


- Então o levou fora, e disse: Olha agora para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua descendência. - E creu ele no SENHOR, e imputou-lhe isto por justiça.



Deus estava, entre outras coisas, trabalhando na vida de Abraão, algo que está faltando muito ao povo de Deus, por causa da religiosidade e pela falta de conhecer a palavra de Deus, por medo ou negligência em apropriar-se dela: Deus trabalhava em Abraão sua PERSPECTIVA – VISÃO.

Note as partes em negrito nos versículos.

Sabe o que fez Abraão quando recebeu a promessa de Deus:

Em Gen. 13 - Ele agiu, mudou as suas tendas para onde estava a promessa.
Em Gen 15 - E creu ele no SENHOR, e foi atribuído isto por justiça. ·

- E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra

Aqui é possível ver a bênção do Senhor. Tem gente que tem muitos recursos financeiros mas algo está errado: Sente-se que não há satisfação ou realização.

Outros ainda há que tudo que fazem se desfaz do nada e sem explicação. Ganham e perdem tudo indelevelmente.
Olhe para o dizimista fiel e consciente. Ele passa por problemas como os outros também, mas há uma diferença sensível e perceptível, uma bênção, uma proteção, um anjo que repreende o devorador. Ele pode ter poucos recursos até, mas parecem multiplicar-se em suas mãos. Não importa os outros não entenderem, mas a satisfação permeia sua vida.

E o que faz o devorador? Destrói o fruto do trabalho. Nem sempre perdas abertas de dinheiro ou recursos, mas também uma inquietude que persiste: problemas que afetam a saúde, o relacionamento familiar, o desenvolvimento profissional.

Entenda, não quero dizer que estes problemas sejam apenas causados pela falta do dízimo. Mas o fato de ser dizimista fiel atrai a promessa de Deus de REPREENDER O DEVORADOR, somente Ele pode faze-lo.

Ainda tem o problema das dívidas. Deus não tem plano de ver seu povo com dívidas, com o nome prejudicado, e cabisbaixo pela vergonha que advém disso. É Claro que existem diversas implicações, mas ao tomar o compromisso de se tornar dizimista na Casa de Deus, você atrai e confirma essa cobertura contra o devorador.

·e a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.

O trabalho, o lar, o ministério... tudo será frutífero. É tão difícil remar, remar e remar, mas não sair do lugar. De investir recursos em projetos que não trazem retorno. A promessa de Deus é que nossos esforços não serão em vão. Reinvindique a Deus o cumprimento dessa promessa, nós já vimos anteriormente que Deus está comprometido com sua Palavra e nos autorizou a pó-lo á prova:

“Provai e vede que o Senhor é bom.” (Salmo 34:8)·
- E todas as nações vos chamarão bem-aventurados; porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o SENHOR dos Exércitos.
A perspectiva correta no tocante ao dizimista fiel, são as pessoas reconhecerem nele a bênção do Senhor. O certo é que as pessoas queiram saber o nosso segredo de vitória e não o dizimista fiel estar querendo aprender o segredo do ímpio.

Tenho em mente que o segredo de Deus para a abundância é a própria abundância. Ele mesmo nos disse em Lucas 6 - 38

“dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também”.

Quando agimos por fé, com interesse na obra do Senhor, inevitavelmente nos tornamos cooperadores da obra d´Ele, como dizimista e ofertantes fiéis, bem como outras atividades que a Igreja é chamada a fazer: evangelizar, testemunhar, orar, etc..

Paulo, o apóstolo, disse em I Coríntios 15:58: “Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.”

Certamente o ato de ser dizimista ou ofertante da casa de Deus, é uma obra.
Voltando a Abraão, vemos que ele foi chamado de pai da fé, porque agia por fé. Lemos em Hebreus 11:6 que “Sem fé é impossível agradar a Deus.”

Já Tiago nos ensina em seu livro que as obras denunciam nossa fé, Tiago 2:

- 17 Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma. 18 Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras. ...19 Tu crês que há um só Deus; fazes bem. Também os demônios o crêem, e estremecem. 20 Mas, ó homem vão, queres tu saber que a fé sem as obras é morta? 21 Porventura o nosso pai Abraão não foi justificado pelas obras, quando ofereceu sobre o altar o seu filho Isaque? 22 Bem vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi aperfeiçoada. 23 E cumpriu-se a Escritura, que diz: E creu Abraão em Deus, e foi-lhe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus. 24 Vedes então que o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé. 25 E de igual modo Raabe, a meretriz, não foi também justificada pelas obras, quando recolheu os emissários, e os despediu por outro caminho? 26 Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta.

(continua)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aparente derrota, Vitória de Fato

Graças, porém, a Deus que em Cristo sempre nos conduz em triunfo. (2 Co 2.14.) 

De aparentes derrotas Deus tira as Suas maiores vitórias. 
Muitas vezes o inimigo parece triunfar temporariamente, e Deus assim permite. Depois então Ele confunde toda a obra do inimigo, desfaz sua aparente vitória e, como diz a Escritura, "transtorna o caminho dos ímpios". 
Assim Ele nos leva a experimentar uma vitória muito maior do que se não tivesse permitido ao inimigo um aparente triunfo no início. 
A história dos três moços hebreus lançados na fornalha ardente é bastante conhecida, e nos traz um exemplo de vitória aparente do inimigo. Parecia que os servos do Deus vivo iam sofrer uma terrível derrota. Por certo todos nós já estivemos em situações onde parecíamos derrotados — e o inimigo se regozijava. Podemos imaginar a derrota completa que os três jovens pareciam estar sofrendo: lançados na fornalha, com os inimigos observando para vê-los arder naquelas chamas. Porém, em que grande pasmo fica…

Manhã com Deus

Prepara-te para amanhã, para que subas..., e ali te apresenta a mim no cume do monte. Ninguém suba contigo. (Êx 34.2, 3.) 

 O momento matinal com Deus é essencial. Não podemos encarar o dia sem ter olhado para Deus, nem ter contato com outros, sem primeiro ter estado em contato com Deus. Não podemos esperar vitória, se começamos o dia na nossa própria força. Enfrentemos o trabalho de cada dia sentindo a influência de alguns momentos tranqüilos com o coração diante de Deus. Não entremos em contato com ninguém, mesmo os de casa, sem ter primeiro conversado com o grande hóspede e companheiro de nossa vida — Jesus Cristo. Conversemos a sós com Ele regularmente. Conversemos a sós com Ele diante da Bíblia, e enfrentemos os deveres habituais e não habituais de cada dia, tendo a influência dEle a controlar cada um de nossos atos. Tens hoje muito que fazer, talvez; Fala com Deus, primeiro. As coisas mudam tanto de figura Quando encaradas lá, A sós com Deus. Familiariza-O com esses teus ass…

Falar é Prata, Escutar é Ouro

“Portanto, meus amados irmãos, todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus” Tiago 1:19-20).
Recebi esse texto abaixo para meditação da Rádio BBN e resolvi compartilhar com vocês que acompanham-me pelo BLOG do Pastor Gerson Luiz. A mensagem é muito boa e vai acrescentar muito para quem tirar alguns minutos para ler meditar.
Aproveito para recomendar a programação da Rádio BBN que pode ser sintonizada pela WEB. Copie o link a segui e aproveite: http://www.bbnradio.org/jwplayer/players/browsers/portuguese.htm O ditado popular: “Falar é prata, escutar é ouro” reflete essa verdade preciosa. No texto acima entendemos que muitos de nós ainda precisa escutar mais e falar menos. Infelizmente, muitas vezes fazemos o contrário do que Deus nos exorta em Sua palavra. Quantas vezes somos tardios para ouvir, prontos para falar e mais prontos ainda para nos irar? E assim perdemos a oportunidade de experimentar a justiça…