Quando Deus pensou em você (parte 2)



Confira a segunda parte da maravilhosa mensagem de Lloyd John Ogilvie, QUANDO DEUS PENSOU EM VOCÊ

Relembrando...
Fora uma semana difícil. Uma semana daquelas em que indagamos: "Quem sou, que estou fazendo aqui? Vale a pena tudo isso?"
 Todos nós as temos. Tudo se acumula. Nada sai como planejamos. As pessoas nos decepcionam. Nossos alvos parecem estranhamente distantes e ilusórios. O trabalho perde o brilho e o gosto. Um desânimo lento nos envolve. 
No final de uma semana como essa, um amigo disse-me uma coisa que me libertou: "Lloyd, desejo que sua vida seja tão linda como o foi na mente de Deus quando ele pensou em você pela primeira vez."



É isso que João desejava que acontecesse a seus amados amigos. O calor da segurança na primeira pessoa é captado pela paráfrase da Bíblia Viva de 1 João 1:1: "Cristo estava vivo quando o mundo começou, entretanto eu mesmo o vi com os meus próprios olhos e o ouvi falar. Eu toquei nele com as minhas próprias mãos. “Ele é a mensagem da Vida enviada por Deus.” O idoso e experimentado apóstolo havia aprendido pela experiência de vários anos.

A vida começou para ele quando, pela primeira vez, ele encontrou-se com Cristo e o Senhor o chamou para que o seguisse. Os breves anos de ministério com· Cristo foram venturosos e excitantes. A primeira vez que o viu, não pôde tirar dele os olhos. Por todos aqueles dias de triunfo e tragédia, João sentiu um amor e ternura especiais para com o Mestre - a intimidade de amigos de confiança; entretanto algo mais, muito mais.

O segundo nome de João passou a ser o "discípulo a quem Jesus amava". Foi porque ele era mais sensível e receptivo e permitiu que seu coração batesse com a cadência do Senhor? Ou seu dom especial era a compreensão de quanto ele precisava do seu Mestre?

Não se esqueça de que Jesus o chamou de "filho do trovão". Este João não era um sonhador moderado e artístico. Seu coração era tão tumultuoso quanto os mares sobre os quais ele tinha velejado e pescado. Era impaciente e ambicioso. Ele competia por poder e lutava por sua própria identidade com os outros discípulos. Mas era franco. Talvez foi por isso que Jesus o amou. Parece que João foi o primeiro a descobrir que a vida para a qual Jesus os chamava não podia ser vivida sem o companheirismo confiante e dependente dele.

É por isso que a crucificação foi tão difícil para João. Uma desesperança excruciante substituíra a alegria da intimidade com o Senhor. Ele não poderia vencer sem o Mestre.

Não é de admirar que a ressurreição fosse tudo para João. Quando Maria Madalena, com palavras entrecortadas, narrou o fato inexplicável do túmulo vazio, João ficou espantado. Que significava isso? Ele próprio tinha de verificar. Suas pernas não podiam levá-lo com rapidez suficiente enquanto corria do Cenáculo ao jardim de José. Ouça suas próprias palavras: "Nós corremos ao túmulo para ver; passei na frente de Pedro e cheguei lá primeiro. E abaixei-me, e olhei para dentro, e vi o pano de linho posto ali; mas não entrei... Foi quando entrei também, e vi, e cri - que ele havia ressuscitado. Porque até então não havíamos percebido que as Escrituras diziam que ele voltaria a viver!" (João 20:3-5, 8-9, BV).

As Aparições repetidas do Senhor ressurreto selaram a experiência triunfante de João e deram início a um novo nível de relacionamento com Cristo. No Pentecoste, quando Ele voltou na presença e poder do Espírito Santo, João recebeu a intimidade e união com Cristo que excediam tudo o que ele conhecera antes ou imediatamente depois da ressurreição. Cristo tornou-se o companheiro que nele habitava e lhe dava forças. Cristo era a vida para João!

Mas essa vida não foi fácil e plácida através dos anos. Dureza, perseguições e dificuldades pontilharam seus dias. Através de tudo, porém, o Senhor Vivo jamais lhe havia deixado só. Desde os dias excitantes da expansão da Igreja ao confinamento na ilha de Patmos como prisioneiro político, aos prolongados anos de ministério entre as igrejas de Éfeso e do Vale de Lico, a visão de João do Alfa e do Omega, "o A e o Z, o princípio e o fim de todas as coisas" (Apocalipse 1:8, BV) havia sido o centro e a fonte da vida para ele.

A primeira frase da carta de João à igreja primitiva comunica quem é Cristo e o que tem feito. Ele é o Deus que cria e comunica. Em seu Evangelho, João o chama de Verbo, o Logos, a sabedoria e poder de Deus que foi a primeira causa criadora de tudo. "Antes de existir qualquer outra coisa, Cristo já existia, e estava com Deus. Ele sempre esteve vivo e ele mesmo é Deus. Ele criou tudo o que há" (João 1:1-3, BV). Cristo foi o Deus encarnado, que revelou nossa aparência na mente de Deus quando, pela primeira vez, ele pensou em você e em mim. Por isso o que ele era e é, disse e diz, é o ponto supremo de referência para moldar nossas vidas. João o disse com simplicidade: "Ele é a mensagem da Vida enviada por Deus."

Intimidade com Cristo é a inspiração e motivo de nosso viver.

Um relacionamento pessoal com Cristo ajuda-nos a ver tanto nossa distorção de seus intentos como o que devemos vir a ser. Não era fácil ser crente na antiga Éfeso, nem o é agora em sua cidade e na minha. As mesmas filosofias que distraíam e perturbavam os crentes de então, incomodam-nos ainda. Somos tentados a fazer de Cristo uma idéia ou teoria que pouco tem que ver com nossas semanas, dias ou horas difíceis. Partilhamos com os crentes a quem João escreveu a desvantagem aparente de não termos visto o Senhor Jesus na carne. Mas podemos conhecê-lo com a mesma intimidade que João o conheceu depois do Pentecoste.

Se lhe fosse dado escolher ser levado de volta através da história e fazer parte do grupo de discípulos e andar e falar com Jesus na carne, desejaria você essa experiência mais do que conhecer sua presença e poder em amizade íntima para sua vida hoje? Eu escolho a última. Mais do que um exemplo de vida, temos o Capacitador da Vida que pode reproduzir a si mesmo em nós.

É isso o que preciso para hoje! E você?

ORAÇÃO PARA O DIA: Senhor Jesus Cristo Vivo, Deus conosco, tu nos criaste e vieste a nós a fim de tornar-nos conforme tua semelhança hoje. Desejamos que nossas vidas hoje sejam tão lindas como quando, pela primeira vez, pensaste em nós. Em teu nome, Amém! 

Dr. Lloyd John Ogilvie concentra seu ministério sobre o cuidado, encorajamento e apoio às empresas, políticos e líderes comunitários. Durante 23 anos atuou como pastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Hollywood, Califórnia, e também tinha um rádio nacionalmente sindicado e do ministério de televisão. De 1995 a 2003, atuou como capelão do Senado dos Estados Unidos. 

Dr. Lloyd John Ogilvie é escritor e autor de mais de 50 livros, incluindo Quando Deus Pensou em Você, O Melhor de Deus para sua Vida, devocional imensamente popular diário, O Senhor do Impossível, A Sarça ainda Arde. Agora, ele mantém uma agenda lotada de Pregação líder, com conferências para pastores e palestras motivacionais em todo o mundo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aparente derrota, Vitória de Fato

Amado com amor inabalável

Manhã com Deus