Pular para o conteúdo principal

John Stott - escritor

27 DE JULHO DE 2011, 3H15 DA MADRUGADA FALECIA EM LONDRES, INGLATERRA, O TEÓLOGO EVANGÉLICO JOHN ROBERT WALMSLEY STOTT

27 de julho de 2011, 3h15 da madrugada. Há exatos cinco anos falecia em Londres, Inglaterra, o teólogo evangélico John Robert Walmsley Stott. Na época, a notícia gerou centenas de reações espontâneas em todo o mundo, inclusive, no Brasil.
Stott foi um líder exemplar. Teve uma importância dentro da Igreja Anglicana na Inglaterra, mas também na Igreja Global. Publicou mais de quarenta livros sobre a fé cristã em uma linguagem clara, didática, equilibrada e profunda. Ao mesmo tempo, um aspecto evidente no caráter de Stott era sua simplicidade. Em seu último livro, O Discípulo Radical, Stott destaca oito características de um verdadeiro discípulo de Jesus. A simplicidade é uma delas.
Durante todo o mês de julho, temos publicado conteúdo sobre a vida e a obra de Stott. Nosso objetivo não é torná-lo um “deus” ou coisa parecida, mas tão somente resgatar a riqueza da sua contribuição para a Igreja de Cristo. Suas virtudes como cristão podem nos lembrar valores por vezes ignorados por uma igreja infelizmente superficial, fragmentada e arrogante.

A seguir você pode ler a última palavra do último livro de John Stott. O tom desta “carta de despedida” indica um tipo de testamento espiritual precioso para todos os leitores.
**
Pós-escrito: Adeus!
Ao baixar minha caneta pela última vez (literalmente, pois confesso não usar computador), aos 88 anos, aventuro-me a enviar essa mensagem de despedida aos meus leitores. Sou grato pelo encorajamento, pois muitos de vocês me escreveram. É claro que, ao olhar para frente, nenhum de nós sabe qual será o futuro das impressões e publicações. Porém, estou confiante de que o futuro dos livros está assegurado e de que, apesar de serem complementados, eles nunca serão totalmente substituídos. Pois há algo singular a respeito deles. Nossos livros favoritos se tornam preciosos para nós e até desenvolvemos com eles um relacionamento quase intenso e afetuoso. Não é estranho o fato de manusearmos, riscarmos e até cheirarmos os livros como símbolo de nossa estima e afeição? Não me refiro apenas ao sentimento de um autor pelo que escreveu, mas também a todos os leitores e suas bibliotecas. Determinei que não citaria um livro a menos que o tenha manuseado anteriormente. Assim, deixe-me encorajá-lo a continuar lendo e a incentivar seus parentes e amigos a fazer o mesmo. Pois esse é um meio de graça muito negligenciado.
Existem milhões de irmãs e irmãos em Cristo ao redor do mundo que amariam ter livros para ler a fim de ajudá-los a crescer em seu discipulado. Ainda assim, eles quase não os têm; enquanto nós, no Ocidente, temos mais do que podemos ler. Essa é a razão pela qual cedi os direitos autorais de todos os livros de minha autoria ao trabalho da Langham Literature: para permitir que mais cristãos e seus pastores nas partes mais pobres do mundo obtenham bons livros cristãos tanto em inglês quanto em suas próprias línguas e assim se fortaleçam em sua fé e pregação. Quem sabe eu o encoraje a considerar esse e outros ministérios da Langham Partnership, os quais são preciosos para mim e dignos de seu interesse e suporte.
Os leitores talvez queiram saber que indiquei em meu testamento um grupo de agentes literários liderados por Frank Entwistle, que está atenciosamente disposto a lidar com quaisquer questões que possam surgir em relação aos meus livros. Um exemplar de cada livro, juntamente com um exemplar de contribuições a outros livros e todos os meus artigos, serão mantidos sob os cuidados da Biblioteca Lambeth Palace, com o generoso consentimento de Richard Palmer, bibliotecário e arquivista, que cordialmente se ofereceu para deixá-los disponíveis a pesquisadores. O endereço do meu escritório continuará a ser 12 Weymouth Street, Londres W1 W 5BY e será supervisionado por Frances Whitehead, a inimitável e incansável.
Mais uma vez, adeus!

– Texto retirado do livro O Discípulo Radical, de John Stott.
 (do site www.ultimato.com.br - visite o site e a loja virtual do site)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Há Esperança para a Árvore Cortada – JÓ 14.7-9

Romanos Capítulo 8 Versículo 25,26. (Tradução King James Atualizada)


"Porém, se esperamos por algo que ainda não podemos ver, com paciência o aguardamos. Do mesmo modo, o Espírito nos auxilia em nossa fraqueza; porque não sabemos como orar, no entanto, o próprio Espírito intercede por nós com gemidos impossíveis de serem expressos por meio de palavras."

HÁ ESPERANÇA PARA A ÁRVORE CORTADA – JÓ 14.7-9

A vida é assim... Há dias de alegrias e outros de tristezas, há momentos de grandes vitórias e outros de decepções. Essa vida é imprevisível. O texto sagrado fala da “árvore cortada” e Jó vivia um momento de cortes em todas as áreas de sua vida.

De repente perdemos o emprego, é a crise, vem a enfermidade ou o problema familiar e outros tantos. A Palavra de Deus afirma que “há esperança”. Ao cheiro das águas e tudo muda... É a presença do Espírito Santo que vem nos ajudar – Rm 8.26

De onde vem o corte?

Nesta hora ouvimos muitas vozes até para acusar... Calma!

Os pontos de corte são 3, a…

Um Evangelho que transforma

"Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego. Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá pela fé." Romanos 1:16,17        O evangelho que somos chamados a viver é um evangelho MOTIVADOR, INSPIRADOR e TRANSFORMADOR.
       Jesus afirmou ser o PÃO DA VIDA (Mateus 6:48). O termo PÃO DA VIDA é de muita importância pois é o alimento básico que está em todas as mesas. Do rico ao pobre.        Tudo o que for essencial e necessário não nos faltará, é promessa de Deus.        Porém, muito mais que simplesmente se aproximar de Jesus pelo que Ele pode fazer por nós, o Evangelho que somos chamados a viver e comunicar é o evangelho da transformação, da restauração de nossas vidas pelos valores do Reino de Deus. Fato que muitas vezes nos faz ficar na contramão do pensamento deste mundo. Por isso quem ama esse mundo (e seu sistema de valores) …

Um exemplo de Oração

"(Jesus) Ele foi um pouco mais adiante, ajoelhou-se, encostou o rosto no chão e orou..." (Mateus 26:39)
Há várias coisas para nós aprendermos da parte da oração do Salvador em Sua hora de provação. A primeira é que a Sua oração era oração solitária; ele se retirou até mesmo de Seus três discípulos preferidos. Da mesma maneira nós devemos orar em segredo, especialmente em tempos de provação. A oração familiar, oração social, oração na Igreja, são preciosas, mas elas não são suficientes.

Em segundo lugar, foi oração humilde. Lucas diz que Ele ajoelhou-se, mas Mateus diz ele "encostou o rosto no chão"e você deve fazer o mesmo. Se você é um humilde servo do grande Mestre, então pó e cinzas devem cobrir a sua cabeça! Seja humilde diante Dele, e Ele o exaltará no devido tempo.

Em seguida, notamos que a Sua oração era terna e amorosa. Ele orou ao Seu "Abba, Pai", literalmente, o seu "Papai". No dia de sua provação você…