Pular para o conteúdo principal

John Stott - escritor

27 DE JULHO DE 2011, 3H15 DA MADRUGADA FALECIA EM LONDRES, INGLATERRA, O TEÓLOGO EVANGÉLICO JOHN ROBERT WALMSLEY STOTT

27 de julho de 2011, 3h15 da madrugada. Há exatos cinco anos falecia em Londres, Inglaterra, o teólogo evangélico John Robert Walmsley Stott. Na época, a notícia gerou centenas de reações espontâneas em todo o mundo, inclusive, no Brasil.
Stott foi um líder exemplar. Teve uma importância dentro da Igreja Anglicana na Inglaterra, mas também na Igreja Global. Publicou mais de quarenta livros sobre a fé cristã em uma linguagem clara, didática, equilibrada e profunda. Ao mesmo tempo, um aspecto evidente no caráter de Stott era sua simplicidade. Em seu último livro, O Discípulo Radical, Stott destaca oito características de um verdadeiro discípulo de Jesus. A simplicidade é uma delas.
Durante todo o mês de julho, temos publicado conteúdo sobre a vida e a obra de Stott. Nosso objetivo não é torná-lo um “deus” ou coisa parecida, mas tão somente resgatar a riqueza da sua contribuição para a Igreja de Cristo. Suas virtudes como cristão podem nos lembrar valores por vezes ignorados por uma igreja infelizmente superficial, fragmentada e arrogante.

A seguir você pode ler a última palavra do último livro de John Stott. O tom desta “carta de despedida” indica um tipo de testamento espiritual precioso para todos os leitores.
**
Pós-escrito: Adeus!
Ao baixar minha caneta pela última vez (literalmente, pois confesso não usar computador), aos 88 anos, aventuro-me a enviar essa mensagem de despedida aos meus leitores. Sou grato pelo encorajamento, pois muitos de vocês me escreveram. É claro que, ao olhar para frente, nenhum de nós sabe qual será o futuro das impressões e publicações. Porém, estou confiante de que o futuro dos livros está assegurado e de que, apesar de serem complementados, eles nunca serão totalmente substituídos. Pois há algo singular a respeito deles. Nossos livros favoritos se tornam preciosos para nós e até desenvolvemos com eles um relacionamento quase intenso e afetuoso. Não é estranho o fato de manusearmos, riscarmos e até cheirarmos os livros como símbolo de nossa estima e afeição? Não me refiro apenas ao sentimento de um autor pelo que escreveu, mas também a todos os leitores e suas bibliotecas. Determinei que não citaria um livro a menos que o tenha manuseado anteriormente. Assim, deixe-me encorajá-lo a continuar lendo e a incentivar seus parentes e amigos a fazer o mesmo. Pois esse é um meio de graça muito negligenciado.
Existem milhões de irmãs e irmãos em Cristo ao redor do mundo que amariam ter livros para ler a fim de ajudá-los a crescer em seu discipulado. Ainda assim, eles quase não os têm; enquanto nós, no Ocidente, temos mais do que podemos ler. Essa é a razão pela qual cedi os direitos autorais de todos os livros de minha autoria ao trabalho da Langham Literature: para permitir que mais cristãos e seus pastores nas partes mais pobres do mundo obtenham bons livros cristãos tanto em inglês quanto em suas próprias línguas e assim se fortaleçam em sua fé e pregação. Quem sabe eu o encoraje a considerar esse e outros ministérios da Langham Partnership, os quais são preciosos para mim e dignos de seu interesse e suporte.
Os leitores talvez queiram saber que indiquei em meu testamento um grupo de agentes literários liderados por Frank Entwistle, que está atenciosamente disposto a lidar com quaisquer questões que possam surgir em relação aos meus livros. Um exemplar de cada livro, juntamente com um exemplar de contribuições a outros livros e todos os meus artigos, serão mantidos sob os cuidados da Biblioteca Lambeth Palace, com o generoso consentimento de Richard Palmer, bibliotecário e arquivista, que cordialmente se ofereceu para deixá-los disponíveis a pesquisadores. O endereço do meu escritório continuará a ser 12 Weymouth Street, Londres W1 W 5BY e será supervisionado por Frances Whitehead, a inimitável e incansável.
Mais uma vez, adeus!

– Texto retirado do livro O Discípulo Radical, de John Stott.
 (do site www.ultimato.com.br - visite o site e a loja virtual do site)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aparente derrota, Vitória de Fato

Graças, porém, a Deus que em Cristo sempre nos conduz em triunfo. (2 Co 2.14.) 

De aparentes derrotas Deus tira as Suas maiores vitórias. 
Muitas vezes o inimigo parece triunfar temporariamente, e Deus assim permite. Depois então Ele confunde toda a obra do inimigo, desfaz sua aparente vitória e, como diz a Escritura, "transtorna o caminho dos ímpios". 
Assim Ele nos leva a experimentar uma vitória muito maior do que se não tivesse permitido ao inimigo um aparente triunfo no início. 
A história dos três moços hebreus lançados na fornalha ardente é bastante conhecida, e nos traz um exemplo de vitória aparente do inimigo. Parecia que os servos do Deus vivo iam sofrer uma terrível derrota. Por certo todos nós já estivemos em situações onde parecíamos derrotados — e o inimigo se regozijava. Podemos imaginar a derrota completa que os três jovens pareciam estar sofrendo: lançados na fornalha, com os inimigos observando para vê-los arder naquelas chamas. Porém, em que grande pasmo fica…

Manhã com Deus

Prepara-te para amanhã, para que subas..., e ali te apresenta a mim no cume do monte. Ninguém suba contigo. (Êx 34.2, 3.) 

 O momento matinal com Deus é essencial. Não podemos encarar o dia sem ter olhado para Deus, nem ter contato com outros, sem primeiro ter estado em contato com Deus. Não podemos esperar vitória, se começamos o dia na nossa própria força. Enfrentemos o trabalho de cada dia sentindo a influência de alguns momentos tranqüilos com o coração diante de Deus. Não entremos em contato com ninguém, mesmo os de casa, sem ter primeiro conversado com o grande hóspede e companheiro de nossa vida — Jesus Cristo. Conversemos a sós com Ele regularmente. Conversemos a sós com Ele diante da Bíblia, e enfrentemos os deveres habituais e não habituais de cada dia, tendo a influência dEle a controlar cada um de nossos atos. Tens hoje muito que fazer, talvez; Fala com Deus, primeiro. As coisas mudam tanto de figura Quando encaradas lá, A sós com Deus. Familiariza-O com esses teus ass…

Falar é Prata, Escutar é Ouro

“Portanto, meus amados irmãos, todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus” Tiago 1:19-20).
Recebi esse texto abaixo para meditação da Rádio BBN e resolvi compartilhar com vocês que acompanham-me pelo BLOG do Pastor Gerson Luiz. A mensagem é muito boa e vai acrescentar muito para quem tirar alguns minutos para ler meditar.
Aproveito para recomendar a programação da Rádio BBN que pode ser sintonizada pela WEB. Copie o link a segui e aproveite: http://www.bbnradio.org/jwplayer/players/browsers/portuguese.htm O ditado popular: “Falar é prata, escutar é ouro” reflete essa verdade preciosa. No texto acima entendemos que muitos de nós ainda precisa escutar mais e falar menos. Infelizmente, muitas vezes fazemos o contrário do que Deus nos exorta em Sua palavra. Quantas vezes somos tardios para ouvir, prontos para falar e mais prontos ainda para nos irar? E assim perdemos a oportunidade de experimentar a justiça…